segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Oração ao Vento

É manhã fresca em que a chuva vai assentando a poeira da seca em Brasília. Em mim, vontade de paz e de alegria. Saudade de alma livre e mente vazia. Faço uma oração ao vento: que ele passe por mim carregando tudo o que não sou eu.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Possibilidades

Silenciar é cuidado de amor, convite a tatear com respeito a realidade que se interpõe. E no mais, nem é preciso dizer o óbvio. Há a possibilidade de deixar nossos olhos passearem soltos, vivendo alegres a oportunidade de, por alguns momentos, poder testemunhar a existência do outro. Também há a possibilidade de abrir os ouvidos e aproveitar para conhecer os tons de voz daquele que o amor tornou único. E há também a reverência, aquele ato interno que, sem palavras, diz ao outro: grata por existir, grata por existir, grata por existir...

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Era isso...

Era um corpo para acolher o meu com balanço suave de rede, para me manusear com delicadeza, fazer compressa em minhas dores, acariciar minha pele como se o tempo estivesse sobrando, derramando-se vagarosamente da eternidade... como se cada milímetro fosse uma longa estrada.
Era sim, era isso que me salvaria.
Era um sorriso leve e um olhar que encontrasse o meu sem que houvesse dúvida.
Era sim, era isso que me salvaria.
Era uma mão estendendo um copo de água fresca, ao dar-se conta de minha sede esquecida por mim mesma.
Era sim, era isso que me salvaria.
Era um abraço que sussurrasse ao meu ouvido que quando se abraça é preciso respirar.
Era sim, era isso que me salvaria.

Receita do dia

Receita do dia: ninar a tristeza e acordá-la poesia.