segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Desejos da desesperança

É dificil me perdoar por sentir desesperança. Mas preciso abrir espaço para minhas verdades, e elas não são todas felizes. Sou responsável por tantas vidas e me sinto perdida e só na missão de cuidar de mim mesma. Hoje queria meu pai, queria deitar a cabeça em seu colo e ser criança de novo. Descansar de meus sonhos que não deram certo. Esquecer meus medos. Queria acordar com a vitamina de laranja com mamão que ele me levava à cama quando ía visitá-lo na minha infância. Queria aquela macarronada que só ele sabe fazer e sabia que era o prato que eu mais gostava. Queria me lembrar de que eu mereço cuidado, mereço palavras doces. E mereço compartilhar a vida com quem acredita em mim.

Um comentário:

ser tão assim disse...

a flor, meus olhos encheram de lágrimas ao ler esses escritos. Sinto tanto por estar distante em um momento tão importante e especial de sua via. A preparação e a chegada de uma linda menininha para alegrar ainda mais nossa vida, a menininha que eu sonhei talvez eu não tenha. Estou indo amanhã bem cedo para buenos aires, te liguei por volta de umas nove e meia da noite e vc não estava em casa. Senti uma vontade imensa de estar ao seu lado.
Te amo sempre. E não é uma macarronada, mas te prometo um risoto de shitake bem quentinho para vc comer rápido enquanto os pensamentos ganham mundo, como tanto gosta.

beijo no coração pati